ACESSIBILIDADE - LEI nº 13.146/2015


Para navegação via teclado, utilize a combinação de teclas conforme o modelo abaixo: ALT + [Nº de atalho]

ALT + 1

Ir para o Conteúdo

ALT + 2

Ir para o Menu

ALT + 3

Ir para a Busca

ALT + 4

Ir para o Rodapé

ALT + 5

Acessibilidade

ALT + 6

Mapa do site

ALT + 7

Acesso a Informação

ALT + 8

Cor Original

ALT + 9

Cor com contraste

Botão/Tecla +

Aumentar Fonte

Botão/Tecla -

Diminuir Fonte

Botão/Tecla =

Fonte Original

Leitores de Tela

Nosso Portal foi desenvolvido para ser compatível com softwares leitores de tela. Assim, basta que o usuário tenha instalado em seu computador um destes softwares que será possável ouvir o que está escrito ou desenhado no site.

Agência de Notícias

PRESIDENTE DA APAE DE ITABAIANA REBATE ACUSAÇÕES PUBLICADAS NO JORNAL CINFORM

08/01/2019 12:24 - atualizado em 08/01/2019 12:24

Compartilhar no Whatsapp
Compartilhar por E-mail Imprimir

PRESIDENTE DA APAE DE ITABAIANA REBATE ACUSAÇÕES PUBLICADAS NO JORNAL CINFORM

Asneiras. Foi assim que a presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Itabaiana (APAE), Ilenói Costa Silva, rebateu as acusações veiculadas na última edição online do jornal Cinform.

Em entrevista ao programa Jornal da Capital, 1° Edição, Ilenói ficou surpresa ao ser questionada pelo radialista Alex Henrique sobre a informação que a associação que preside não estava recebendo repasse por parte da prefeitura. “Quem contou essa asneira”? indagou.

Diante do que foi exposto pelo semanário, onde diz “que a prefeita Carminha Mendonça está mais preocupada com os preparativos de uma viagem da filha do que pagar as verbas de subvenções”, a presidente da APAE de Itabaiana foi enfática. “Essa informação não procede. Ela viaja com o dinheiro dela e a verba de subvenção é paga com dinheiro da prefeitura”. E completou. “É assim ou estou equivocada”?

SOBRE AS SUBVENÇÕES

Ainda de acordo com Ilenói, as informações divulgadas pelo jornal Cinform são infundadas e não correspondem aos fatos. Isso porque em anos anteriores, como em 2017/2018, por exemplo, os períodos sempre terminavam com dividas em subvenções, o que não ocorreu entre 2018/2019.

“Essa informação não procede. Não me foi questionado sobre esse assunto e não entramos o ano em debito de maneira alguma. Isso não procede”. E finalizou. “Não sou uma pessoa leviana, não falo mentiras, se você me questiona eu falo a verdade”.


Compartilhar no Whatsapp
Compartilhar por E-mail Imprimir

OUTRAS NOTÍCIAS